quarta-feira, 6 de maio de 2015

Diário de Intercâmbio: Veneza


Veneza é um dos lugares mais mágicos que eu conheci. A atmosfera, a arquitetura, as cores, as pessoas, tudo ali é incrível. Em compensação, é também o lugar mais caro pra se visitar. Desde o lugar pra ficar às lembrancinhas, tudo é caro. Mas vale a pena cada euro investido, primeiro porque como não é lugar grande e tão cheio de coisas para conhecer, como Roma, dá tranquilamente pra você passar dois dias no lugar e conhecer tudo tranquilamente. Eu passei 1 dia e meio na cidade e a única coisa que não consegui conhecer foram as ilhas próximas Murano e Burano, mas se eu tivesse ficado dois dias de fato, conseguiria fazer tudo.

O melhor de Veneza é caminhar sem rumo e, se você for em Julho, como eu, vai estar no ápice do calor do verão, por isso, aproveite para tomar vários gelattos pelo caminho, enquanto admira as paisagens e tira bastante fotos. Separei os principais pontos da ilha que são paradas obrigatórias:

Canal Grande
É como se fosse a avenida principal de Veneza. Ela passa por toda a cidade dividindo-a em duas partes. Foi o meu primeiro contato com a cidade. Logo que cheguei pela estação de trem, peguei o vaporetto (é como se fosse o metrô deles, um barco que serve de transporte público e serpenteia as águas da cidade) e atravessei todo o Canal Grande até San Zaccaria, onde desci para ir pro hostel. O passeio é lindo, de um lado e de outro o caminho é recheado de palácios gigantescos, construídos na idade de ouro veneziana. É uma experiência de outro mundo!

Piazza de San Marco
Uma das praças mais famosas do mundo e também uma das mais bonitas. É lotada de turistas por todos os lados. O espaço conta com duas torres, a dell”Orologio, original do século 14, e a Campanile, que foi construída no século 9, mas desmoronou em 1902, sendo reconstruída no século 16. De lá, é possível ter a melhor vista panorâmica da cidade. A praça é ainda cercada de lojas e restaurantes. De noite, a iluminação e as apresentações de artistas, transformam o ambiente em um lugar mágico!




Torre Campanile


Basílica de San Marco
A Basílica de São Marcos foi edificada no ano 828 e é onde estão os supostos restos mortais do apóstolo Marcos, que é padroeiro de Veneza. As cinco cúpulas da basílica mesclam os estilos arquitetônicos bizantinos, românicos e renascentistas. Se por fora, a estrutura já é riquíssima, por dentro é ainda mais. O mais interessante é que toda a riqueza do interior é original do período próspero de Veneza. Como a Fontana di Trevi em Roma, a Basílica tava sendo restaurada na época em que eu fui, mas ainda assim dava pra ver todos os detalhes lindos do exterior.



Pontes della Costituzione, Scalzi, Accademia e di Rialto
Embora o Canal Grande percorra Veneza dividindo-a em dois lados e seja a via principal da cidade, somente três pontes o atravessam, interligando as duas partes. Devido a sua importância, as três pontes são pontos turísticos de Veneza: A Ponte della Costituzione, antigamente chamada Calastrava, fica onde começa o canal; Ponte deli Scalzi, localizada quase em frente a estação ferroviária; Ponte dell'Accademia, localizada quase em San Marco, em frente à Galleria dell'Academia, importante museu que promove os cinco séculos de arte veneziana; e a Ponte di Rialto, que fica no coração da cidade em dos maiores símbolos de Veneza. É de chorar a paisagem que a gente vê desses lugares, principalmente da Rialto e da Accademia que ficam mais próximas do centro da cidade.

Ponte della Costituzione

Ponte di Rialto

Ponte dell'Accademia

Ponte Scalzi

Palazzo Ducale
Representação do poder político do antigo império mercante de Veneza. Tem cerca de mil anos de história, hoje é aberto a visitação desse imponente palácio que é extremamente marcante na história da cidade.


Gôndolas
É o símbolo mais característico de Veneza, sem dúvidas. E você vai vê-la por todos os lugares. O passeio de gôndola pelos canais da ilha é a atração mais turística de lá, talvez por isso, os venezianos pesam a mão no preço. Na época em que fui (julho/2014), custava 80 euros (100 euros, se for a noite) o passeio de gôndola. SÉRIO! Lógico que não fiz, andar de vaporetto já me bastava. hahaha Mas, explicando melhor, o valor é pelo passeio, não por pessoa. Cabem cerca de seis pessoas em cada gôndola, então se você for em um grupo grande, até que dá pra ter essa experiência, pouco mais de 10 euros pra cada é bem mais tranquilo de pagar. No meu caso, eu estava só, então era irreal pagar os 80 euros sozinha.



Murano e Burano
Se você tiver um tempinho a mais em Veneza (coisa que eu não tive, infelizmente), faça uma visita às ilhas vizinhas Murano e Burano. Murano é onde ficam as fábricas dos famosos cristais e uma tradição imensa nas indústrias de vidraria. O mais legal de lá é poder visitar essas fábricas e ver como funciona a processo artesanal de criação deles. Já Burano é conhecida pelas rendas venezianas e mais que isso: pelas cores! As casas são todas coloridas lá, dando um ar alegre e descontraído pra ilha, que se diferencia das outras. Eu sou apaixonada por cor, então fiquei bem chateada de não conseguir visitar Burano. :/

O próximo e último destino é Milão! Vamos lá?

Fotos: Larissa Andrade

Nenhum comentário:

Postar um comentário